Blog

rh.png

O que? Depois de mais de 15 anos de bagagem uma nova área?!



Eis que a mudança bateu em minha porta...


Em 2018 inicie o MBA, confesso que o que me motivou não foi tão genuíno, mas isso fica pra uma outra hora. Voltando pro foco, esse foi o começo de novos caminhos, sem possibilidade de contrl + z.

Descobri um mundo que eu sequer sabia da existência, a tal da incompetência inconsciente da PNL, e tudo passou a ser meio esquisito.


O primeiro grande insight foi na aula de marketing digital. Ham? Os celulares nos ouvem? Mergulhei em conteúdos sobre um mundo que já existia a algum tempo, e eu ali feliz e contente com meu curso de técnico em informática que fiz em 2007 - pausa para risos, e não são de alegria!



Fiquei tão apaixonada pelo tema de transformação digital, em utilizar a tecnologia como um meio e não um fim. A tal da mudança virou rotina!


Minha monografia foi linkando os assuntos: transformação da área de RH, o mundo digital e a inteligência emocional. Tudo bem que a obrigação de entregar um TCC tira todo o glamour, mas...


Ah, sabe a quarta revolução industrial? Ela está ai! Ai meu Deus! Todos seremos substituídos por robôs ou; ah, tá tudo certo, já passamos por outras 3! Sou do time que prefere ponderar e seguir o caminho alternativo, nem lá nem cá, o que fizer mais sentido! E se tiver algo dali que também faz, junta tudo e vambora! why not?


A grande diferença entre todas as revoluções é o espaçamento entre elas. Se quiser estudar mais sobre, dá um google ai, fica claro quando vc olha as imagens. Agora, se quiser se aprofundar no tema, indico o livro a Quarta Resolução Industrial de Klaus Schwab ;)


E esse espaçamento ai, impacta em quê? Segundo a Lei de Moore o processamento de computadores duplicam seu sua capacidade a cada ciclo de 18 a 24 meses – isso se enquadra a tecnologia em geral, como dispositivos móveis, inteligência artificial (AI), robotização... e nós?


Meu ponto de vista, lembrando que é a vista de um ponto, é que evoluímos a cada dia, mas a velocidade... ai fica à reflexão.


Chegamos ao X da questão, precisamos nos reinventar.

Segundo pesquisa da Dell realizada em 2017, 85% dos trabalhos que serão executados em 2030 ainda não foram inventados, e pela perspectiva de Klaus, 50% dos trabalhos dos EUA estarão em risco na próxima década.

Será comum termos mais de uma carreira na vida - o que não acontecia antigamente. A velocidade de aprendizado, serenidade para lidar com o caos e a adaptação serão os grandes diferenciais.


Tudo isso me fez refletir e sentir a necessidade de experimentar algo novo, com o skin in the game, descobrindo como é meu mundo fora do meu habitat natural. Afinal, eu estive em RH por mais de 15 anos e agora estarei numa área de tecnologia, atuando como Business Analyst. As cenas dos próximos capítulos estou ansiosa para viver.


Nesse mundo de incertezas e de mudanças inimagináveis tão repentinas, a única certeza é que precisamos nos apegar ao que nos move, ai todo o resto fica mais fácil! (ou um pouco menos doloroso)


Já viveu algo parecido? Conta aqui nos comentários ou manda uma mensagem 😉