Blog

rh.png
  • Tami Lima

4 dicas pra uma conversa ruim


Tão importante quanto a maneira que se fala é intensão da conversa.

Juntei aqui 4 ótimas dicas para a conversa ser ruim.


1. Defender uma posição

Quando o que mais importa é provar que aquela posição é a certa.

Não adianta a linguagem ser doce, mas o objetivo ser única e exclusivamente convencer o outro sobre um ponto de vista.


2. Ter o julgamento como ponto de partida

Os peixes nadam e o ser humano julga.

Não conseguimos fugir desse bendito, mas conseguimos escolher deixar ele de lado quando vamos para uma conversa e levamos apenas o que realmente aconteceu.

Conseguimos perceber que ele está presente quando a única coisa que se consegue enxergar é que o outro é relaxado, inflexível, grosseiro...


3. Ter a punição como objetivo

Se houve a falha então a punição tem que vir junto.


4. Secretamente querer que o outro sinta culpa ou vergonha

Se a pessoa teve essa atitude que mal tem em expor pra ela sentir as consequências?

O mais desafiador é conseguirmos mergulhar nessa intensão, porque primeira resposta pra pergunta "O que você busca com essa conversa?" Será sempre positiva.


Um causo pra ficar mais fácil trazer pra realidade

No trabalho percebi que duas pessoas não se davam bem e eu tinha mais afinidade com uma delas.

Em uma conversa, a pessoa que eu tinha menos afinidade, o Godofredo fez um comentário ruim sobre o trabalho daquela outra pessoa que eu era próxima, o Chico.


Com o escudo de justiceira, em uma oportunidade contei o ocorrido pro Chico.

Não preciso nem contar que deu m*.


Um chamou o outro pra conversar e eu fui envolvida. Claro, fui a pombo-correio.

Depois dessa situação fiquei refletindo qual foi minha real intensão ao contar o fato?

Eu era uma pessoa má por querer expor?


Refletindo, refletindo e refletindo consegui perceber que eu parti de um paradigma de dominação e uma crença de dualidade, onde existe apenas dois lados: certo X errado, recompensa X punição, elogio X depreciação, eu X outro.


E quando partimos desse paradigma nos colocamos em papel de juiz com frequência. Preciso garantir que o certo seja recompensado e o errado punido.


O que eu estava querendo era atender minha necessidade de contribuição para o lado certo da história, mas o que eu não estava percebendo é que o mundo não é dual, ou você é X ou Y, ou vc está certo, ou errado. E eu, nunca quero estar errada, porque Deus me livre de punição.


Por isso tão importante quanto como eu falo é o que eu preciso e de qual lugar estou partindo.

Quando passamos a ter consciência e praticar a autoempatia, olhando para dentro sempre que agimos de uma forma que não gostamos, passamos a naturalmente mudar o mundo ao nosso redor.


Se esse texto te ajudou a refletir conta aqui nos comentários. No fim das contas, minha necessidade ao compartilhar com você é conexão! 🧡👊